Um mercado que movimenta mais de R$3 bi anualmente, com crescimento anual de mais de 20%. A indústria de cuidados pessoais pode parecer superficial numa primeira análise, mas engloba muito mais que o shampoo para determinados tipos de cabelos; o creme antirugas; ou até mesmo o batom vegano, eco friendly, cruelty free, de embalagem reciclada, com uma cadeia de fornecimento cuidadosamente mapeada. É importante ir além dessa definição, pois cuidado envolve saúde, em todos os seus aspectos; cuidado tem a ver com bem-estar, traduz atenção, e essa deve ser global, passando por todos os âmbitos de existência do ser humano, desde o que o faça sentir bem, até aquilo que cuide do ambiente onde habita. 

A definição de cuidado traz em si uma ideia de zelo, respeito, tratamento especial. É impossível, portanto, falar disso sem falar sobre o ser humano integral, sobre tudo o que o faça ser, viver, sentir. E torna-se mais complexo, a cada dia, falar em todos os esses estados de existência humanos sem falar sobre a tecnologia. 

São milhares de novos produtos, que envolvem desde nanopartículas a matérias-primas complexas jamais imaginadas, para cuidar de hidratação, proteção solar ou mesmo retardar sinais da idade. Incontáveis pesquisas, testes, processos inovadores, todos com um mesmo objetivo: desenvolver e entregar produtos que respeitem e cuidem da natureza humana e até mesmo do planeta. 

Você sabia que o Brasil é o país mais ansioso do mundo? E como será que é possível tratar isso? São muitas as iniciativas e até empresas que hoje se preocupam com a saúde do corpo e da mente. Sejam as grandes, que se esforçam para levar alternativas a quem mantém o negócio vivo – seus colaboradores – , sejam startups que desenvolvem soluções para atender a um público que hoje se vê cada vez mais preocupado com o seu bem-estar, tendo em vista que já entenderam que cuidado vai muito além da vaidade. Aplicativos que cuidam da alimentação, conexão com academias, iniciativas relacionadas a práticas meditativas, de relaxamento, de auto conhecimento, e a lista não para por aí. 

E já que que os exemplos trazem o tema da conectividade focada em cuidados, vale acrescentar uma informação relevante: estima-se que até o próximo ano, 2020, mais de 50 bilhões de dispositivos estarão conectados à internet. Como isso se traduziria dentro dessa indústria? De várias formas: o aplicativo que você usa para meditar está no seu celular, conectado à internet. O relógio que mede seus passos, sua frequência cardíaca, também está. Em muitos países, a terapia online já é uma realidade regulamentada e acessível. O desenvolvimento da tecnologia permite o alcance mais amplo, a um cuidado cada vez mais profundo. E se o ser humano está buscando mais cuidado diariamente, esse é um dos mercados que mais busca e demanda inovação, seja no Brasil, ou em âmbito global.

A nossa proposta

Nós, da Troposlab, acreditamos nas conexões que geram resultados e mudanças, e que a tecnologia deve ser direcionada para promovê-las, de uma forma sistêmica e integrada. Por isso, atentos às transformações que vêm ocorrendo no mundo e com a experiência de mais de 15 anos no mercado de inovação, vimos a necessidade de conduzir esses processos, acompanhados de quem possua conhecimentos técnicos, de mercado e que busque também a construção de um novo olhar para o cuidado. 

Apoiados por esse ambiente conectado e colaborativo, lançamos o CareTech Movement: uma iniciativa criada para fomentar a conexão e a geração de negócios entre os diversos atores da cadeia – startups, empresas, pesquisadores, investidores. Vamos falar sobre tendências e oportunidades de investimento nessa indústria, justamente por percebermos a relevância e o potencial que negócios do setor possuem. 

Queremos que  você esteja conosco, e nos ajude nesse movimento, divulgando suas ações, participando de nossa rede, se cadastrando em nosso mapa, interagindo em nossos encontros e gerando negócios! 

Saiba mais em e inscreva-se para o evento de lançamento em https://troposlab.com/caretech/