Dicas fundamentais sobre autoconhecimento no empreendedorismo

Início » Dicas fundamentais sobre autoconhecimento no empreendedorismo

Durante a minha trajetória de desenvolvimento de empreendedores na inovação, algumas vezes me deparei com as seguintes perguntas: “O que preciso fazer para ser um empreendedor de sucesso? ” Ou também: “Quais são as características dos empreendedores que deram certo? Existe algum perfil específico? ” E a minha primeira reação diante dessas perguntas sempre foi de tentar responder. São perguntas que me movem. Mas que não possuem respostas únicas e prontas.

À medida que fui aprofundando em estudos e pesquisas para entender o comportamento do empreendedor, entendi também que todo o processo de desenvolvimento dele tratava-se de um clássico desenvolvimento de comportamento humano. Sim, isso mesmo. Quando estamos falando de empreendedor, estamos falando de pessoas que sentem, que são afetadas, que tomam decisões emocionais e que, muitas vezes, seguem por caminhos que nem mesmo eles conseguem entender muito bem o porquê. Os empreendedores, de sucesso ou não, podem compartilhar as mesmas habilidades e ainda assim alcançarem resultados distintos. E foi nesse momento que eu comecei a ter mais atenção com aspectos psicológicos importantes para qualquer processo de desenvolvimento.

O que faz um empreendedor ter sucesso e outro não?

O sucesso do empreendedor é um fenômeno complexo em que interagem muitas variáveis. Mas existem algumas dessas, a meu ver, que têm um peso maior na explicação do sucesso no empreendedorismo. Uma delas é com certeza o potencial do projeto, do negócio ou da ideia que o empreendedor está conduzindo. Dificilmente um empreendedor vai conseguir realizar um empreendimento com baixo potencial e atingir sucesso, ainda que o empreendedor tenha todas as habilidades empreendedoras necessárias, técnicas ou comportamentais. Ou ainda que tenha muitos recursos disponíveis.

Para entender melhor o ponto que queremos refletir, vamos considerar que o empreendedor possui um projeto com alto potencial. A ideia é boa e tem chances reais de ser implementada e ganhar escala. Então, por que nesses casos, teremos situações em que alguns empreendedores têm sucesso e outros não? Porque o empreendedorismo é um fenômeno que combina recursos e potenciais dos negócios com recursos e potenciais do empreendedor. E muitas vezes esquecemos de olhar para o empreendedor como peça fundamental para o sucesso do projeto, logo no início da jornada empreendedora. E só quando fazemos isso sistematicamente é que as respostas para as perguntas já mencionadas anteriormente começam a ser realmente construídas.

Um dos motivos pelos quais alguns empreendedores terão sucesso e outros não é simplesmente o fato de que alguns empreendedores vão conseguir desenvolver as habilidades necessárias no momento certo. Parece fácil, mas não é. E vale ressaltar aqui a importância de realizar jornadas empreendedoras bem acompanhadas, e mais, a importância de realizar um processo sistemático de desenvolvimento enquanto se empreende. Arrisco ainda a dizer que todos os empreendedores de sucesso que eu entrevistei e interagi até aqui tinham isso em comum: um olhar atento e crítico para si mesmos, para a necessidade de se desenvolver e de permanecer aprendendo. Alguns exerciam tal prática a partir de processos de terapias, outros em programas de educação empreendedora, em processos de coaching ou mesmo sozinhos. Não quero discutir nesse momento quais caminhos são mais eficientes, mas sim dizer que o empreendedor precisa encontrar o seu melhor jeito e praticar esse olhar atento sistematicamente.

O empreendedorismo te transforma

Empreender é muito desafiador e parece ser também muito transformador, o que provoca mudanças profundas nos empreendedores que encaram verdadeiramente tal jornada. Além disso, em cada ponto da jornada, o empreendedor precisará desenvolver habilidades distintas, precisará aprender coisas novas e inúmeras vezes precisará ser flexível e adaptável. E nessa hora surgem novas perguntas: é possível fazer isso sem um olhar atento? Sem se desprender de seus “auto-preconceitos” e vaidades? A resposta é não. O empreendedor de sucesso vai reconhecer que os resultados dos seus projetos dependerão, em partes, de seus comportamentos e, por isso, buscará formas de se preparar. Ou melhor, buscará formas de entregar o melhor possível naquilo que depende dele.

Passem a observar os empreendedores que você admira e você identificará neles essas características: são pessoas que se comprometem com os resultados, sejam eles de fracasso ou de sucesso, e aprendem com tudo que vivenciam. Isso é transformador. Isso é estar aberto para se conhecer melhor e para se desenvolver no que é preciso em cada momento do caminho. E, inclusive, é estar aberto para reconhecer quando existem outras pessoas que podem ter melhores condições para algumas atividades, ações ou missões. 

Por que falar de autoconhecimento no empreendedorismo?

E então, chegamos ao ponto mais importante para essa reflexão. Por se tratar de um processo humano, o empreendedorismo requer uma gestão eficiente dos processos psicológicos envolvidos. Requer a compreensão, em primeiro lugar, de que sem as pessoas nada vai acontecer, a ideia simplesmente não sairá do papel. E, em segundo lugar, exige que as pessoas que empreendem compreendam que a jornada empreendedora vai exigir delas comportamentos específicos em situações específicas e que elas precisam estar totalmente atentas para isso.

Por isso é que precisamos falar de autoconhecimento no empreendedorismo. Precisamos falar sobre a necessidade dos empreendedores se conhecerem muito bem e de acompanharem de forma cuidadosa os impactos e os resultados que estão gerando a partir de seus comportamentos. Ou a partir dos comportamentos que não estão acontecendo.

Esse ponto exige ainda que abandonemos de forma definitiva a ideia do empreendedor herói. Se já existiu em algum momento, isso não existe atualmente. O empreendedor auto-suficiente não é real, não é humano, não é factível. Empreender tem ficado cada vez mais desafiador e vai continuar assim, porque o mundo está mudando muito rápido, ficando mais competitivo. E uma pessoa sozinha dificilmente poderá realizar o potencial de algo realmente inovador ou de alto impacto, necessitando construir seu time ou sua comunidade empreendedora.

A jornada empreendedora deve começar e permanecer envolta de buscas por autoconhecimento. O empreendedor precisa se dedicar a se conhecer tão bem quanto ele conhece sua ideia, seus clientes, seu mercado. Precisa se entender como recurso importante para sua empreitada. E, nesse sentido, precisa cuidar de alguns pontos que são centrais e ter estratégias de desenvolvimento e crescimento pessoais.

Dicas importantes sobre autoconhecimento para empreender

Considerando as diferenças individuais entre pessoas que empreendem, podemos dizer que se autoconhecer pode ser mais prazeroso e natural para uns do que para outros. Muitas pessoas se sentem estimuladas com suas jornadas dedicadas a compreender melhor sobre seus pontos fortes, seus pontos fracos e seus pontos cegos. E fazem isso de forma sistemática. Para outras pessoas isso não é uma realidade e precisarão de ajuda para vivenciar esse processo. Sendo assim deixo algumas dicas que podem demonstrar melhor os impactos dessa reflexão:

Dica 01: Você é humano e precisa lembrar disso

Às vezes olhar para si de forma atenta é enxergar forças e às vezes é enxergar fraquezas. E aparentemente enxergar fraqueza é algo que não nos agrada muito, em especial quando estamos em jornadas empreendedoras, sendo desafiados e testados diariamente. Contudo, uma fraqueza só deixa de ser fraqueza quando ela é vista e melhor entendida. Processada. Então, quanto mais tempo suas fraquezas forem pontos cegos, mais vezes não vai entender resultados que não são desejados. E eles vão se repetir muitas vezes até que você mude o seu comportamento. Enxergar nossas forças pode não ser óbvio também. Acontece muito. Muitos resultados empreendedores de insucesso poderiam ter sido evitados se os empreendedores tivessem percebido suas fraquezas e suas forças. 

Dica 02: Você é humano, logo não é perfeito

Outro aspecto importante de ser abordado se refere ao desejo que temos muitas vezes de nos desenvolver em tudo que nossos projetos demandam, para que possamos fazer sempre da forma que achamos que precisa ser. Isso não será possível. E é preciso entender que há habilidades e competências que não poderemos desenvolver naquele momento, mas que serão muito importantes para realizar nossos projetos ou empreendimentos. Autoconhecimento é saber mais conscientemente a que você deve se dedicar prioritariamente e o que precisa encaminhar a outras pessoas do seu time. 

Dica 03: Sua ideia depende de você, então se conheça melhor

Por fim, cabe dizer que sua ideia, seu negócio ou seu projeto, dependem de você e dependem do quanto você se conhece. Da mesma forma que você desenvolve estratégias para diagnosticar, desenvolver e acompanhar seus projetos, precisa desenvolver e se dedicar a conhecer mais sobre você, sobre suas habilidades, sobre suas dificuldades. E sobre os impactos que seus comportamentos têm gerado no seu empreendimento. Se você ainda não percebeu isso, é hora de olhar mais cuidadosamente para você, pois eu posso afirmar que isso está acontecendo em seu empreendimento. Esse é o primeiro passo para iniciar uma jornada que poderá ser transformadora em que poderá encontrar os caminhos mais interessantes para realizar seus objetivos.

Para finalizar eu retomo a uma das perguntas iniciais desse texto: “O que preciso fazer para ser um empreendedor de sucesso? ” E respondo que o primeiro passo com certeza é entender a necessidade e importância de se conhecer e se acompanhar atentamente em todo o seu caminho. Isso certamente não é toda a resposta para a pergunta, mas é o melhor começo possível para ela.


Gostou desse conteúdo? Comente ou compartilhe com a sua rede. E se quiser mais sobre o nosso trabalho com o comportamento empreendedor, entre em contato.

Marina Mendonça | Diretora de Cultura e Times
Me graduei em Administração (UIT) e em Psicologia (UFMG) com Mestrado em Cognição e Comportamento (UFMG). Atualmente sou doutoranda em Cognição e Comportamento (UFMG). Tive meu primeiro negócio em 2007, e não parei mais de empreender. Desde 2015 realizo pesquisas sobre comportamento empreendedor e produzido metodologias para desenvolver pessoas em ambientes de inovação. Nada me deixa mais feliz do que estar na companhia de pessoas que amo falando sobre o que realmente importa na vida.
Ir ao Topo