Desde 2008 trabalho com gestão de projetos em empresas multinacionais que atuam de forma mais tradicional no mercado.  Já estive em projetos com propostas e objetivos completamente distintos: projetos para áreas especificas, projetos focados em inovação e também em alguns mais abrangentes, voltados para desenvolvimento da cultura nas empresas. Desde a metade de 2019 atuo na Troposlab com foco em projetos de inovação, conectados com empreendedores individuais de startups e também no ambiente de intraempreededorismo, onde o foco é trazer as metodologias empreendedoras para as equipes das empresas tradicionais.

Nessas experiências mais recentes, diretamente conectadas com inovação, uma das dúvidas que sempre aparece é: qual metodologia ou guia de gerenciamento de projetos devemos seguir para obter sucesso na gestão de projetos de inovação? E a resposta, para variar, é depende.

Isto é, dependendo do tipo de projeto inovador e quais impactos ele trará faz sentido seguir com uma metodologia mais tradicional, ou algo mais embasado nas metodologias ágeis de gerenciamento de projetos, ou ainda, em uma possibilidade híbrida, combinando ferramentas tradicionais e ágeis para atender a necessidade daquele projeto específico. Cada dia mais essa última opção faz mais sentido, pois os projetos de inovação devem ser planejados e executados considerando sempre suas particularidades.

Independente de qual ideia inovadora você queira transformar em um projeto, existem alguns pontos que devem ser considerados para diminuir ou tentar antecipar a quantidade de problemas que acontecem durante a execução.

Os principais pontos de atenção na gestão de projetos de inovação

Planejamento – Esse é o passo inicial para definir, identificar, combinar e coordenar tudo e todos que serão necessários para execução do projeto.

Escopo – Neste momento muitas pessoas passam direto e não constroem um escopo ou, quando o fazem, ele não é totalmente coerente com o projeto todo, afinal é difícil definir tudo já nessa etapa. O importante aqui é ter bem claro que, para sua ideia sair do papel, quanto mais possível for especificar o escopo para o projeto, mais fácil será a execução dele. Então é fundamental foco em: qual o objetivo do projeto, justificativa para ele acontecer, quais os critérios de sucesso, possíveis restrições, premissas (quais sistemas ou ferramentas necessárias) e ter claro quais serão as entregas.

Prazos – Utilizando métodos mais tradicionais, ágeis ou híbridos é imprescindível que você tenha definido quais os processos necessários para cada tarefa, seus recursos e quanto tempo cada uma delas leva para ser concluída. O objetivo aqui é saber quanto tempo será necessário para ver aquela inovação implementada.

Recursos e parceiros – Além de definir qual a equipe que irá trabalhar no projeto para designar as tarefas para cada um dos responsáveis, é essencial ter identificado quem são os parceiros que devem ser envolvidos para dar o devido suporte para as atividades chave no momento da execução.

Custo – Determinar estimativas, orçamentos e controle dos custos, com o objetivo de lançar seu produto ou serviço inovador dentro do orçamento.

Qualidade do projeto – Conseguir ter processos e atividades que determinam as políticas de qualidade, objetivos, requisitos e responsabilidades de modo que o projeto satisfaça às necessidades para as quais foi empreendido. Muitos projetos são entregues sem pensar nos critérios de qualidade que precisam atender e isso afeta diretamente o sucesso da inovação.

Comunicação – Desde o primeiro passo até a entrega final do projeto, o gerenciamento da comunicação precisa ser planejado. Isto é, ter alguém responsável para determinar como os envolvidos irão se comunicar e alinhar constantemente quais são as expectativas durante todo o projeto de inovação.

Riscos – O que seria da vida sem riscos? O mesmo se aplica para projetos, ainda mais no ecossistema de inovação, onde temos muitas incertezas. Muitas empresas e pessoas empreendedoras deixam para pensar nos problemas apenas quando eles ocorrem, desperdiçando muito tempo e recursos para resolver e “apagar os incêndios”. O importante aqui é não esquecer que alguns desses riscos são possíveis de ser considerados desde o planejamento para já pensar em um plano de contingência e lidar de forma mais assertiva quando eles surgirem.

Ainda não existe uma espécie de receita de bolo para escolher qual metodologia se encaixa mais em um determinado projeto, devemos tratar todos de forma individualizada e, sempre que possível personalizada. Com a transformação digital novas tecnologias existem e cada dia mais facilitam o gerenciamento de projetos. Entretanto todos os pontos relacionados acima fazem parte de qualquer processo de gestão de projetos de inovação e devem ser sempre considerados para que sua ideia saia do papel e aconteça.

Se você é ou pretende ser gestor de projetos de inovação, acompanhe nosso blog e redes sociais pois temos vários conteúdos voltados diretamente para as suas necessidades. E caso queira trocar experências a respeito, é só entrar em contato