Lideranças inovadoras e seus impactos nas organizações

Início/Lideranças inovadoras e seus impactos nas organizações

Liderança inovadora não é um termo novo, já foi tema de uma pesquisa realizada há mais de 10 anos atrás, chamada de The Innovator’s DNA, mas ainda é novidade para muitas pessoas.

A liderança inovadora pode ser definida como uma forma de pensar e agir, utilizando a inovação como parte integral da rotina nas tarefas de liderança. Afinal, é papel da liderança ser um exemplo da transformação que ela deseja que aconteça na sua organização.

Seja em empresas privadas, órgãos públicos ou no terceiro setor, é importante ressaltar que esse tipo de liderança faz toda diferença, principalmente para momentos de crise, como o que estamos vivendo com a pandemia agora. Há diversos exemplos de lideranças inovadoras no momento atual, temos países como Alemanha, Islândia, Nova Zelândia, Dinamarca, Taiwan e Noruega que estão sendo verdadeiros modelos em como administrar a crise para salvar o maior número de vidas possível.

Também vemos atuação da liderança inovadora em diversas empresas, que já estão (quase) preparadas para se adaptar a uma nova maneira de trabalho (à distância) e a uma nova forma de fazer negócios. O foco principal não é mais somente o lucro, mas também perceber que impacto a empresa tem na sociedade, e de que forma ela pode colaborar com os mais atingidos pela pandemia, levando em conta a desigualdade social que vivenciamos.

Mas quais são as características de uma liderança inovadora?

Existem algumas listas de características, habilidades, dicas e até mesmo passo-a-passo para ter ou ser uma liderança inovadora. O primeiro ponto de atenção é que nenhuma delas será uma fórmula mágica para essa transformação, já que pessoas e/ou organizações possuem particularidades e necessidades específicas relacionadas ao seu principal objetivo.

A proposta então é relacionar abaixo quais são as habilidades que podem ser aprendidas, desenvolvidas e aplicadas para intensificar a relação – que deveria ser simbiótica – entre a liderança e os conceitos de inovação. Destacamos então algumas que podem ser aplicadas em qualquer organização.

  • Autoconhecimento

Conhecer e entender quais são as famosas forças, oportunidades, fraquezas e ameaças é um excelente começo. Um líder de inovação deve compreender qual é seu conhecimento pessoal e qual a situação da organização, principalmente quando se trata de inovação. A partir disso, é possível identificar quais são as qualidades que podem ser aproveitadas e quais são os pontos que necessitam melhorar. Importante que a liderança incentive também que o autoconhecimento seja praticado pelos colaboradores, para que a transformação e a integração com a inovação seja feita de forma estrutural.

  • Inclusão e Diversidade

Não tem como falar de liderança e inovação sem olhar para algo extremamente importante como inclusão e diversidade. A liderança inovadora deve estar atenta a pontos de vista que são diferentes do seu modo de pensar. É importante trabalhar a humildade de modo a aprender com o outro sobre temas em que você tem um conhecimento superficial, enquanto outras pessoas de diferentes credos, raças/etnias, estilos, filosofias de vida e opções sexuais podem ter uma reflexão mais profunda. Escutar com atenção e dar espaço para novas ideias, conceitos e experiências de outras pessoas da organização é crucial para a construção da liderança inovadora. Acredite nas pessoas e principalmente na sua equipe.

  • Associação / Conexão

Essa habilidade é a capacidade de conectar questões, problemas ou ideias aparentemente não relacionadas de diferentes áreas, com o objetivo de encontrar novos caminhos e soluções. É de certa forma exercitar a lógica da mesma forma que nosso cérebro: não é uma ordem óbvia como a de um índice ou um dicionário – nós utilizamos a memória através de associações com coisas que às vezes não estão obrigatoriamente conectadas como, por exemplo, uma lembrança de um momento feliz na infância associada ao aroma de um bolo recém assado.
Desenvolver essas conexões é essencial na construção de uma organização com líderes inovadores. Conseguir associar um problema ou necessidade de um cliente ou mercado, com conhecimento em uma tecnologia somado à capacidade de identificar a falha de concorrentes pode ser o ponto de partida para criar um novo produto ou serviço.

  • Observação e questionamento

Sem dúvidas um dos pontos chave para ser uma liderança inovadora é criar a possibilidade de observar e questionar com sensibilidade. Quando conseguimos colocar a atenção em um problema acontecendo, em uma tarefa sendo realizada, em um comportamento do cliente ou mesmo nas próprias ações que realizamos, nos permitimos a chance de questionar se aquilo está sendo feito da melhor forma, e provocar cenários hipotéticos onde as ações ocorram de uma maneira diferente.

É necessário colocar foco e reservar um tempo para se perguntar todos os dias como poderia desafiar o status quo da organização. Essa frase não vale só para a organização, pode ser aplicada em distintos ambientes da sua vida: não é possível atingir novos resultados efetuando as mesmas ações do passado.

  • Experimentação

Experimentar é a arte de se arriscar, testar novas formas de trabalho, novos processos, novos serviços e produtos ou mesmo um mercado diferente. Seguir, mesmo com o receio de ainda não estar fazendo da forma mais perfeita, é essencial para descobrir que não há apenas uma forma de se fazer determinada atividade ou resolver determinado problema.

Enfrentar esse medo de que algo pode dar errado – e sabemos que muitas vezes dá errado – é algo que a liderança inovadora deve encarar, pois isso traz os aprendizados necessários para chegar a uma solução mais aperfeiçoada, ou mesmo para entender que algumas formas não podem ser aplicadas para determinados problemas e/ou necessidades.

A possibilidade de experimentar proporciona uma oportunidade única de aprender na prática o que funciona bem e o que precisa melhorar. Experimente sempre que possível antes de chegar a uma conclusão final.

  • Ser uma liderança aberta

A liderança inovadora deve também considerar a inovação aberta e todos os benefícios que ela pode trazer para a sua organização. Compreender e se conectar com outros atores do seu mercado e dos ecossistemas de inovação, auxilia no processo de crescimento e construção de uma organização que respira inovação em tudo que faz.

Faz parte do papel de líderes inovadores considerar parcerias, consultorias e contatos com outras lideranças inovadoras que podem ajudar no desenvolvimento de um cenário que une inovação e colaboração. Passar por uma grande crise ou por um processo de transformação não é nada simples, mas pode ser menos complicado e podemos encontrar melhores soluções juntos.

Todas essas habilidades são complementares e podem ser desenvolvidas com planejamento e dedicação. E já identificamos que a participação da liderança na inovação traz resultados para as empresas. Claro que cada um tem o seu tempo de aprendizado, mas nos dias atuais temos a oportunidade de enxergar mais claramente que organizações que não consideram a inovação e possuem líderes que ainda utilizam apenas métodos tradicionais, estão com uma enorme dificuldade para enfrentar a crise e podem ter consequências negativas irreparáveis.

Isso sinaliza a urgência de priorizar a inovação dentro das organizações como questão de sobrevivência. Podemos te ajudar com o desenvolvimento da liderança para a inovação através de nossos programas e consultorias em inovação. Se quiser falar mais sobre o tema, basta entrar em contato.

Por |2020-05-06T12:08:54-03:0006/05/2020|gestão da inovação|

Sobre o Autor:

Peterson Pedroso
Ir ao Topo