Quanto mais passamos pela crise causada pela pandemia da Covid-19, mais entendemos que as mudanças provocadas por esse período serão mais intensas e mudarão (já estão mudando) a forma com que a nossa sociedade se organiza. Existem efeitos de curto, médio e longo prazo, e já começamos a ver um desenho de setores que estão sendo e serão mais afetados, seja pela doença em si, seja pelos efeitos econômicos do confinamento que estamos vivendo.

Por isso, mapeamos alguns dos principais setores que estão sofrendo com as medidas de confinamento e as principais startups aceleradas pela Troposlab que podem ajudar na reinvenção dos negócios desses setores.

Entretenimento

Os principais afetados no segmento de Entretenimento, são aqueles que dependem de atividades presenciais com volume de público (shows, jogos esportivos, teatro, cinema, etc). Também foram um dos primeiros a parar e deve-se manter essa restrição por muito tempo ainda. Nesse caso, a quarentena está acelerando um processo que já vinha acontecendo dentro do setor, o aumento da produção de conteúdo online. Estamos vivendo um boom de lives de músicos de todos os estilos musicais, comediantes estão produzindo e/ou disponibilizando conteúdos antigos para o youtube e outras plataformas, atores ociosos estão interagindo com a sua rede e fortalecendo o seu papel como influenciadores. Hoje no Brasil, existem canais no youtube e perfis no instagram ou twitter com audiências maiores do que qualquer canal de TV a cabo do país. Com essa migração forçada de artistas de TV aberta, músicos, ícones do teatro e outros para o mundo social, essa relevância do meio digital só tende a aumentar esponencialmente.

E para isso novos modelos de receita para o setor terão que ser inventados, reforçados ou adaptados. Afinal de contas ninguém está pagando ingresso para ver lives no youtube.

Cennarium 

O Netflix dos espetáculos de teatro. Leva para o mundo virtual a magia que experimentamos na frente de um palco, democratizando o acesso a cultura, trazendo novas possibilidades para os produtores de conteúdo e rompendo barreiras geográficas.

Holobox 

Produzem hologramas de pessoas, personagens e objetos, fazendo com que eles interajam com estruturas físicas. Tem experiência em produzir eventos com palestrantes holográficas, algo que pode se tornar mais comum no mundo pós Covid-19.

Ampyou / Eshows 

Plataformas para contratação de músicos e demais artistas. Em um cenário onde as aglomerações em locais públicos será desistimulada, muitos músicos vão migrar para trabalhos em festas particulares. Nesse cenário plataformas que conectem músicos a pessoas que não estão acostumadas a contratar esses profissionais encontrarão um nicho promissor.

Alimentação fora de casa

Bares e restaurantes foram forçados do dia para a noite a migrarem para as plataformas digitais ou fecharem as portas. Restaurantes renomados que nunca se interessaram em oferecer seus produtos online começaram a pipocar no food, uber estas ou 99 food. Bares menores que sempre sobreviveram de seus clientes fieis da vizinhança estão tendo que organizar serviços de entrega por conta própria ou em plataformas como o Zé Delivery. Não acredito que essa seja a realidade desse tipo de estabelecimento pós a pandemia (muitos voltarão a atender presencialmente no formato que estão acostumados), mas com certeza no mínimo uma abertura maior para a digitalização ocorrerá nesse setor.

Menyoo 

Começaram como um digitalizador de cardápio para restaurantes que ainda não tinha seu cardápio nesse formato e evoluíram para uma plataforma de gestão de presença online dos estabelecimentos. Atua de forma complementar as plataformas de entrega e com isso consegue trazer inteligência para o dono do estabelecimento. Muitos vão ver que conseguem aumentar as receitas com essas novas plataformas, mas precisam de soluções de gestão para controlar esse novo canal.

Bom de copo 

Plataforma para criar uma comunidade cervejeira conectando produtores, estabelecimentos e clientes. Em um cenário como o que vivemos hoje, podem ser um elo para agilizar o relacionamento virtual de estabelecimentos que não tem essa vocação, mas irão precisar de ajuda nesse novo cenário.

Sacola de Minas 

Marketplace de produtos artesanais. Soluções como essa podem encurtar o produtor com o cliente final, já que vários canais de venda desse tipo de produto (restaurantes, mercearias e bares) estão fechados hoje.

Varejo

O E-commerce existe a um tempo considerável no mundo, mas por razões de cultura local e logística do país, tem crescido de forma mais tímida do que em outros países. Com esse súbito fechamento do comércio, temos visto setores diferentes do comércio tentando se adaptar.

Para eletrônicos por exemplo, o mercado já está bem estabelecido. Não faltam vídeos de análises e produtos que tornam a ida a loja desnecessária até para ver o produto em funcionamento. Por outro lado, para o mercado de moda por exemplo, a compra online é uma péssima experiência ainda. A falta de padronização de numerações por exemplo (as vezes em uma mesma loja duas bermudas tamanho 42 possuem tamanhos diferentes) faz com que existe uma desconfiança enorme do consumidor.

Esse setor vai passar por períodos de abertura e fechamento, então além de pensar em formatos online, aqueles que investirem em soluções de gestão terão mais chance de sucesso.

eMercado / Domuscatore 

Empresa de soluções de e-commerce para supermercados. Essa briga antiga de uma hora para outra se tornou prioridade para muitos compradores que não querem se arriscar saindo de casa para fazer compras nos supermercados. Depois da pandemia, essa é uma tendência que deve continuar para parte do público que está disposto a pagar mais pela comodidade.

N2N Virtual 

Plataforma que permite qualquer um criar facilmente o seu marketplace. Permite o surgimento de novos nichos na internet fortalecendo o e-commerce.

Take Now 

Plataforma de compra por impulso, onde cada modelo de roupa fica disponível na tela por poucos minutos e nunca mais aparece para a pessoa. Esse tipo de novo modelo muda a forma das pessoas consumirem online, trazendo elementos que influenciam a compra da mesma forma que o mundo físico.

Rectrix / Simbio / Shelfpix 

Softwares de gestão focado no varejo. Ajudarão depois da crise, aquelas lojas que precisarão entender exatamente os seus pontos de falhas no processo com os clientes. Algo fundamental para sobreviver a períodos de faturamento intermitente.

Indústria

Não tem como um operador produzir um carro da sala da própria casa, ou pelo menos não em uma fábrica que não seja 100% automatizada.

Quando falamos em indústria pensamos em um número enorme de empresas de setores completamente diferentes. Indústrias do setor de saúde por exemplo estão em plena operação e expandindo suas instalações e equipes, enquanto setores como o automotivo praticamente pararam.

Da mesma forma, precisamos entender que existem funções administrativas e de produção, as quais demandam soluções bem diferentes. É irreal imaginar que teremos fábricas 100% automatizadas da noite para o dia, mas com certeza soluções de automatização de processos ganham força nesse período:

Órbita / IndWise / Birmind / Intelup / Prodfy

Não faltam opções de startups hoje no mercado que conectam sensores, análises de imagens ou outras tecnologias para automatizar processos e/ou gerar dados mais inteligentes para as indústrias.

Além disso, plataformas de gestão adequadas às novas formas de trabalho também se tornam mais necessárias nesse novo contexto:

Tangerino / Let’s Work / BTime 

Plataformas de controle de ponto customizado. Podem se adequar a situações de home office por exemplo.

Pipefy / Salesfy

Sistemas de gestão de vendas.  Ajudam não só a alavancar vendas, mas também a controlar o desempenho de equipes de vendas em locais diversos.

DLieve / Everlog / Logmax / Motoboy.com / Pedala / Polifrete / Shippify / Softuck / Simplifica Frete  / Web Rota

Soluções de logística e gestão de frotas para diversos tipos de modais. Serão muito úteis para a indústria se reinventar após a volta às atividades pós pandemia, seja expandindo sua logística, seja reduzindo custos.

W3lcome digital 

Sistema de recepção automatizado modificando a forma de receber pessoas em prédios de grande circulação de pessoas.

Turismo

Um dos primeiros setores a sentir os efeitos do confinamento e provavelmente um dos últimos a conseguir retomar depois que a pandemia passar. Em um momento onde ir na padaria da esquina virou um problema, viajar para outra cidade, estado ou país parece uma realidade distante de anos atrás. Os especialistas projetam que os próximos meses / anos podem ser de quarentenas e períodos de abertura de circulação intermitentes, sendo que esses períodos podem ser diferentes em cada cidade, estado ou país. Isso traz um grande dificultador para o setor, as viagens (quando forem liberadas) devem mudar para formatos mais curtos, em distâncias menores e planejadas com menos antecedência. Uma vez que a sua cidade ou o seu destino podem entrar em quarentena de uma hora para outra.

Contentools 

Plataforma de gestão de marketing de conteúdo. Podem ajudar as empresas do setor a se manterem próximas dos seus clientes durante o período de poucas vendas para que elas ganhem vantagem na volta às atividades.

Mibusca / Mevow 

Plataformas que facilitam a compra de passagens aéreas, podem ajudar na integração com outros players do setor que querem se reinventar

Boletão

Solução de organização de boletos.

Pop recarga / Ewally

Soluções para desbancarizados.

Todas essas soluções de Fintechs podem ajudar o setor a segurar as pontas até que mercado volte à ativa.

Essa crise, como todas as outras, pode ser uma ótima oportunidade para a inovação crescer nas empresas. Independente do setor. E talvez alguma das startups acima te ajude a passar por esse momento difícil. Entre em contato para saber como se aproximar delas ou saiba como outras empresas conseguiram resultados com programas de aceleração de startups aqui e aqui.