• Inovação e colaboração caminham juntas e isso fica mais evidente do que nunca no contexto da crise ocasionada pela Covid-19

A inovação está a umas duas ou três quadras de distância da nossa zona de conforto. Nossa tendência ao conforto, seja no âmbito pessoal ou nas ações de nossa empresa, não é uma novidade. Mudar dá muito trabalho afinal, temos que desenvolver todo um novo repertório para lidar com a mudança, mas essa letargia nem sempre fica muito clara, até que algo aconteça e nos faça refletir. 

E agora aconteceu alguma coisa. Uma grande coisa!

Durante todo esse processo de propagação do coronavírus, desde quando estava bem longe de nós até o momento em que estamos de quarentena para evitar estragos ainda maiores, ouvimos comentários como: “A COVID-19 é um problema da China!”; “A  Europa que dê conta de seus doentes”; “Vamos deixar os que são grupo de risco em casa. Idosos e os que têm doenças respiratórias é que deveriam ficar de quarentena.”

Nós subestimamos tudo que poderia acontecer, certamente pela dificuldade em imaginar tamanhas proporções, mas demoramos a sair da zona de conforto e perceber que a dor do outro é também a nossa e que a saúde do outro é a nossa também. 

“Tudo será possível, quando for impossível para todo mundo”.

Fábio Brotto, especialista em colaboração.

Agora chegamos a proporções mundiais, onde todos estamos envolvidos, e alguns aprendizados para nossos negócios, e para nós mesmos enquanto seres humanos, nos saltam aos olhos.

Somos interdependentes

Toda ação dentro do sistema gera consequências para os demais atores. Seu negócio está interagindo com todo o ecossistema, a ação do outro impacta na sua vida. Sua empresa não conseguirá voltar a produzir com agilidade se o seu fornecedor falir. Não podemos resolver um problema mundial, nacional, ou sequer local, sem pensar nas consequências para o outro, pois elas se tornam consequências de longo prazo para nós mesmos. 

Toda organização é assim, interdependente. Quando o comportamento colaborativo é incentivado, o resultado cresce constantemente, porque o problema passa a ser de todos que passam a ter interesse e se reconhecerem como responsáveis. A inovação através da colaboração traz o máximo de inteligência coletiva e braços para que supere todos os riscos e barreiras inerentes ao processo e se viabilize..

Visão global, ação local

A situação se tornou impossível para cada um resolver sozinho em seu próprio negócio. Mas isso não é motivo para cruzar os braços. Se agirmos de forma colaborativa, seus recursos subutilizados compartilhados podem se tornar parte da solução do grupo. Para que isso aconteça, precisamos encontrar um objetivo a nosso alcance, uma visão compartilhada, capaz de unir diferentes agentes. Você pode não se sentir capaz de influenciar a economia nacional, mas talvez sua empresa tenha um papel fundamental na sua cidade ou bairro. Quais outras têm? 

A COVID-19 está trazendo a chance de um grande aprendizado de liderança compartilhada e planejamento para todos nós. A visão de futuro e as informações essenciais precisam ser compartilhadas entre todos, levando a responsabilidade para cada um atuar em seu ponto específico. São ações simples  como a de lavar as mãos que podem impedir o avanço da doença, mas só terão efeito se cada pessoa entender todo o contexto em que esta ação está inserida. 

Temos pouco controle

Os planejamentos de crescimento e vendas se desfizeram muito rapidamente. Pareciam tão reais aqueles cartazes, cheios de metas na parede e agora não passam de boas intenções. 

E o que fica para sua empresa?

O comportamento empreendedor e comprometimento de sua equipe. Nós não conseguimos controlar a realidade, pois ela é construída à medida que vivemos, mas conseguimos alimentar nosso potencial e capacidade de adaptação. Se sua empresa tem uma cultura interna saudável e colaboradores comprometidos, sem dúvida essa situação está sendo levada de forma mais tranquila.

“Dê uma boa ideia a uma equipe medíocre e eles irão estragar tudo. Mas dê uma ideia medíocre a uma grande equipe, e eles irão consertá-la ou surgir com algo melhor.”

Livro: Criatividade S.A. – Ed Catmull

Não defendemos a ausência de planejamento, mas só podemos nos preparar para as possibilidades usando as ideias, organizando-as e alimentando-as, e, principalmente, com ações práticas e profundas para viabilizar de forma dinâmica e flexível nossos projetos.  Uma equipe consciente de seu papel, que tem os comportamentos orientados para inovação e solução de problema, certamente está buscando (e encontrando) oportunidades de aprender e crescer com a crise

Soluções podem ser rápidas, se estamos juntos

Nós não resolvemos nossos problemas como humanidade por falta de tecnologia, mas porque ainda não interiorizamos os aprendizados acima de forma profunda. Aceitamos problemas graves como parte da realidade e não agimos sobre eles de forma conjunta, visando benefícios maiores em longo-prazo, benefícios que podem parecer incertos, minando nossa confiança na efetividade da solução. Qual a efetividade de não fazer nada ou só sobreviver? 

Após o anúncio da pandemia como uma crise de nível mundial, vimos muitas iniciativas impressionantes acontecendo. Estamos vivenciando o poder que as pessoas e negócios têm para inovar e resolver problemas, quando isso vira sua motivação central.

Alguns dados sobre as iniciativas de inovação e colaboração frente ao surto de Covid-19:

  • Somente no Brasil, até o dia 01/04/2020, R$ 976.224.299 já haviam sido doados, segundo a Associação Brasileira de Captadores de Recursos; 
  • Centenas de centros pesquisa colocaram seus materiais à disposição, para acelerar a pesquisa e o desenvolvimento de soluções;
  • Atendimentos por telemedicina e telepsicologia foram ampliados e redes privadas estão colocando sua estrutura a disposição do SUS;
  • Novos formatos de máscaras e materiais de EPI foram criados, com o apoio de diversas empresas de impressão 3D e laboratórios de prototipagem;
  • Novos tipos de respiradores, até 15X mais baratos foram criados, alguns deles adaptados de máscaras de mergulho;
  • Grandes empresas estão transformando suas fábricas para produção de equipamentos e insumos médico-hospitalares;
  • Editais e desafios para inovação foram lançados como o Desafio Vale COVID-19, EDP Solidária COVID19 e o Code Life Ventilator Challenge;

Todas essas são ações de visão e responsabilidade compartilhada. E milhares de outras iniciativas seguem sendo criadas dentro das cadeias de negócios, países ou até condomínios residenciais. Estamos experimentando culturalmente um nível de confiança e colaboração inédito.

A inovação pela colaboração sempre foi uma excelente resposta (falamos sobre isso aqui anteriormente), e acreditamos que toda essa experiência recente pode impulsionar novas ideias, em um mundo que está para ser reconstruído. Nesse contexto, a sua experiência no condomínio residencial, clube, igreja, escola, pode ajudar a estabelecer e gerir novos padrões colaborativos de solução de problemas e, consequentemente, geração da inovação na sua empresa. .

Você pode levar sua organização a passar por um processo de transformação da cultura, sem precisar esperar que uma calamidade como esta aconteça. O que você tem feito para absorver todo esse aprendizado? Como tem contribuído e como poderia levar isso para o seu trabalho?

Por |2021-05-03T11:37:26-03:0008/04/2020|inovação e colaboração|

Compartilhe! Escolha a sua plataforma!

Sobre o Autor:

Agente de Aceleração
Ir ao Topo