Você por acaso conhece alguém que está há anos desenvolvendo uma ideia de negócios ou um projeto que nunca vai para frente? Talvez essa pessoa esteja sofrendo a “paralisei-me por análise”.

Empreender, seja um novo negócio, seja um projeto dentro de uma grande empresa, ou qualquer outro projeto pessoal, é uma balança entre planejamento e ação. Ao longo dos anos, fomos aprendendo a importância do planejamento. Ações não planejadas podem causar problemas sérios e por isso fomos nos acostumando com a necessidade do planejamento. Por exemplo:

  • Construir uma casa é algo que demanda planejamento, por várias razões. O investimento necessário é provavelmente a maior compra que você fará na vida, e é o local onde você passará grande parte dos seus dias. Se mal construída, a casa pode cair ou apresentar defeitos que colocam a sua existência em risco. A lógica nos diz que essa ação (construir uma casa) demanda um grande planejamento.

Dentro desse mesmo cenário de moradia, temos o exemplo de alugar um apartamento.

  • Com certeza existe algum planejamento nessa atividade. Você olha várias opções, pesquisa preços, localidade, atrativos e quando aceita, muitas vezes, está se comprometendo por um período de, pelo menos, 12 meses. Os seus riscos estão relacionados a uma vida incômoda ou um aperto financeiro pelo período do contrato do aluguel. Se você tiver esse valor no banco, sua percepção de risco é menor, se você depende do salário de cada mês para manter aquele aluguel, sua percepção de risco é maior. E seu planejamento acompanha isso.

Em um cenário ainda mais extremo, temos o exemplo de alugar um apartamento para uma semana de férias no Airbnb.

  • Também existe uma fase de procura, análise e planejamento financeiro, mas provavelmente você escolherá o local apenas baseado em fotos. Se o local for ruim, você terá uma semana difícil, perderá algumas centenas de reais, mas provavelmente isso não mudará o rumo da sua vida ou te deixará endividado. Existe um risco pequeno perto dos dois exemplos anteriores.

Eu trouxe esses 3 exemplos, para mostrar que para tudo na vida existe planejamento, riscos envolvidos e benefícios esperados.

No mundo de novos negócios não é diferente. Mas ao contrário da discussão de moradia que eu mencionei acima, temos menos exemplos próximos a nós de empreendedorismo e, por isso, menos clareza de qual o planejamento necessário para cada fase ou tipo de negócio. Como comparação, cerca de 86% da população brasileira possui moradia, enquanto 23% são empreendedores. O exemplo da moradia é pelo menos 4 vezes mais presente no nosso dia a dia.

E como esse exemplo de empreender é distante para algumas pessoas, vemos empreendedores passarem anos planejando abrir os seus negócios, juntando dinheiro, fazendo planejamentos, estudando o mercado, desenvolvendo o produto. Na cabeça desses empreendedores começar um negócio é como construir uma casa. “É algo que vai mudar a minha vida, algo que vou passar anos fazendo, pode ser o grande legado para meus filhos e por isso deve ser minuciosamente planejado”.

E racionalmente não parece errado.

O problema é que construir um negócio não é algo tão previsível como construir uma casa. Em uma casa você consegue medir o tamanho das paredes e calcular quantos tijolos são necessários, mas em um negócio, por mais que você planeje quantas vendas irá fazer no mês, a realidade pode ser completamente diferente. Quanto mais inicial e mais disruptivo um negócio, mais difícil é esse planejamento. É mais fácil planejar uma padaria do que uma startup.

E é ai que entra a tal “parálise por análise”. É quando uma pessoa não avança justamente por ficar presa a um planejamento perfeito que é impossível para a situação que ela quer resolver. No mundo do empreendedorismo, é quando o empreendedor quer prever todos os riscos do negócio e resolver todos eles antes de começar. Ou quando o negócio começa a crescer e surgem discussões de investimento. Não vou investir enquanto não tiver três meses de caixa, pois não quero correr o risco de ficar endividado. Quando atinge os 3 meses o pensamento é não investir enquanto não tiver um ano de caixa garantido, pois não sei se virá outra pandemia. E por aí vai. O negócio não avança, pois sempre tem uma análise de algum risco futuro, que demanda um novo planejamento.

E como saber se eu estou nesse loop de “parálise por análise”?  Olhando par ao lado, conversando com outros em situações parecidas com a sua. Se todo mundo acha que você planeja demais, é bem provável que você esteja nesse loop.


Você empreende em uma startup e quer ficar por dentro dos nossos programas de aceleração corporativos ou receber conteúdos exclusivos para o desenvolvimento do seu negócio?

Faça parte da nossa rede de startups

Por |2021-04-26T12:06:25-03:0013/04/2021|empreendedorismo|

Compartilhe! Escolha a sua plataforma!

Atuo no mundo da inovação desde 2008. Já atuei em incubadora, consultoria e aceleradora, acelerando mais de 900 startups. Sou formado em Ciências Biológicas e Especialista em Gestão, e por isso gosto de misturar mundos diferentes para trazer mais inovação para o meu dia-a-dia. Coordeno os programas da Troposlab e crio novas metodologias de aceleração, atuando diretamente com mais de 50 grandes empresas. Além disso, tenho um lado nerd (ficção científica, heróis, histórias de aventura, etc).
Ir ao Topo