O Cubo Conecta foi um dia cheio de conexões e atividades valiosas para quem passou pelo Cubo Itaú, na última sexta-feira. Centenas de pessoas estiveram ali para comemorar os 4 anos do Cubo, uma iniciativa do Itaú com a Redpoint Ventures.

Mas comemorar a existência de um coworking? Não…. claro que não!

Primeiro porque o Cubo é algo muito além de um coworking, é uma plataforma viva, ao redor da qual orbitam profissionais liberais, startups, colaboradores de grandes empresas e investidores, não apenas de São Paulo, mas de todo lugar do mundo. Literalmente! No Cubo, as pessoas se conhecem, se conectam e se unem a favor de um negócio (que pode ser desde a criação de uma startup até a realização de um projeto de inovação com alguma grande empresa).

Mas, especialmente, comemorar o aniversário do Cubo é também comemorar conquistas para o ecossistema brasileiro de inovação e startups. Sabe por que?

Porque ganhamos densidade

Há 4 anos não era tão comum falar que tínhamos uma startup ou que trabalhávamos em alguma. Dizer que fazíamos programa de aceleração era quase o mesmo que falar outro idioma e se apresentar como investidor de startup era elitista.

Eram poucas startups, poucos programas de corporate venture e pouco capital destinado à inovação. Neste 4 anos, revertemos esse cenário: temos um número bem maior de startups no mercado, diversos programas de corporate venture e considerável capital para investimento – há até quem diga que tem muito capital no mercado. Ganhamos densidade e isso é um motivo para comemorar!

Porque amadurecemos enquanto ecossistema

Quando o Cubo Itaú surgiu foi um frisson para todos nós que trabalhávamos com inovação. O mercado ficou muito bem impressionado porque afinal o Cubo era a materialização de muita coisa que era discutida e sonhada. Então, de repente, estava tudo ali, diante de nós, num formato único e palpável – um prédio de quatro andares em São Paulo. Mas isso gerou muita curiosidade, até espantamento diante da questão: como pode um banco ter um espaço como esse? Onde eles querem chegar? E a resposta que vinha era: queremos interagir com o ecossistema, estimulando novas conexões e negócios.

De lá para cá, outras iniciativas parecidas surgiram, empresas de diferentes setores também assumiram a estratégia de espaço/hub de inovação para desenvolver seus próprios negócios. As startups já conseguem diferenciar as ofertas de cada programa de corporate venture, mais investimento tem sido direcionado ao Brasil, os investidores conseguem defender mais claramente suas teses de investimento e cada vez mais pessoas tem visto empreender como uma possível alternativa de carreira.

Isso tudo, quando somado, demonstra o quanto temos amadurecido. Se já estamos maduros? Não! Temos um longo caminho pela frente, mas precisamos reconhecer nossa própria evolução.

Porque nos tornamos mais atrativos para investidores

Densidade mais maturidade resultam em maior atratividade para investimento. Alguns relatórios já mostram o quanto crescemos em número de investidores e em capital para investimento em inovação no Brasil. Estamos atraindo novos olhares e isso é resultado, com certeza, de um processo de evolução da inovação no nosso país.

A imagem mostra como o ecossistema de anjos e VCs no Brasil cresceu nos últimos anos e nós relacionamos isso ao aniversário do Cubo Itaú e sua contribuição ao crescimento do ecossistema

Esse cenário tende a ser melhorado em função de mais resultados significativos no campo da inovação – mais corporate venture com resultados positivos, mais startups com tecnologias disruptivas, número de unicórnios no país etc – mas especialmente com melhoria nos resultados econômicos do país e diminuição do risco Brasil.

Porque vemos que ainda há muita oportunidade para explorar

O Cubo Conecta foi especialmente importante porque evidenciou o quanto ainda temos oportunidades para serem exploradas. Seja nos painéis do período da tarde, seja na exposição das startups em cada andar ou até mesmo no happy hour, o tempo todo víamos e falávamos sobre o quanto ainda temos para evoluir e quantas oportunidades ainda estão “sobre a mesa” que podemos explorar.

Em novo endereço, com novas verticais e com equipe bem maior do que 4 anos atrás, o Cubo Itaú nos prova a todo tempo que há muito a se fazer e que a chave de tudo pode estar nas novas e improváveis conexões. É como costumamos dizer aqui na Tropos: nada melhor que as conexões inusitadas em momentos inesperados! 

Vida longa ao Cubo! E um brinde ao ecossistema brasileiro de inovação e startups.

Agora mãos à obra porque temos muito trabalho a fazer. E a Troposlab, claro, será sempre uma parceira nessa jornada realizadora.