O que um programa de intraempreendedorismo pode fazer por um enorme grupo empresarial, com diversos negócios ligados à área de engenharia de materiais e construção? A Saint-Gobain, em novembro de 2018, resolveu lançar o Programa InPulse, para promover a inovação e transformação digital da empresa pela formação de times empreendedores.

O programa já completou sua primeira edição e iniciou uma segunda, com novos projetos e desafios. Conheça seus mecanismos de funcionamento e os resultados que ele trouxe para a Saint-Gobain. 

O programa de intraempreendedorismo InPulse é realizado em cinco etapas:

  1. Inscrições e seleção
  2. Preparo para Bootcamp
  3. Bootcamp
  4. Aceleração
  5. Demoday

 Os colaboradores da Saint-Gobain são convidados a formar equipes para sugerir soluções e ideias para problemas ou oportunidades de mercado da Saint-Gobain. Isso já resultou na mobilização de aproximadamente 270 colaboradores ao longo das duas edições, com 105 projetos inscritos.

Dos projetos inscritos, até 15 deles são selecionados para participar de um workshop de 2 dias e meio, que chamamos de Bootcamp, com o objetivo de detalhar melhor seus planos de negócio e aprofundar as definições de seus projetos. 

Antes do bootcamp, os times selecionados já iniciam sua capacitação em metodologias de inovação e desenvolvimento ágil de negócios, com materiais de estudos gerados pela Troposlab, consumidos em forma de leitura e vídeos. Isso serve de “aquecimento” para o processo pelo qual passarão depois, no qual serão definidos modelos de negócio, perfis dos clientes internos e externos, além de planejamento de testes para validar suas hipóteses.  

Equipe envolvida na realização da primeira edição do programa de intraempreendedorismo da Saint-Gobain

Equipes e realizadores da primeira edição do programa de intraempreendedorismo da Saint-Gobain

Ao final do bootcamp as equipes apresentam um plano de MVP (Mínimo Produto Viável) à diretoria do grupo Saint-Gobain, cuja presença proporciona visibilidade e engajamento de todos. A partir das avaliações dessa banca, são selecionados projetos para a etapa de aceleração, composta de reuniões semanais de mentoria com cada projeto e reuniões de troca de experiência entre os grupos a cada duas semanas.

Quatro projetos foram acelerados na primeira edição do programa e atualmente outros cinco estão sendo assessorados com as metodologias especializadas da Troposlab para intraempreendedorismo, na segunda edição do Saint-Gobain InPulse.

Ao final de três meses de muito trabalho, os projetos apresentaram mais uma vez à diretoria os resultados do trabalho realizado e planos para o futuro. Esse “Demoday” foi realizado com transmissão simultânea a toda a empresa na primeira edição. A diretoria elegeu um dos projetos como destaque e sua equipe foi premiada com uma viagem ao Vale do Silício.

Aqui está um vídeo que mostra um pouco como foi o demoday da primeira edição.

Impactos gerados pelo intraempreendedorismo

Há benefícios inerentes a um programa de intraempreendedorismo tanto para a empresa quanto para seus colaboradores. É uma oportunidade, por exemplo, para o colaborador empreender com menos risco e com muitos recursos a mais em relação aos empreendedores tradicionais, pois têm apoio de uma grande empresa.  

Já para a empresa é a oportunidade de gerar inovação e diferenciais frente em um mercado cada vez mais competitivo sem gastar muito, uma vez que formar times empreendedores tende a ser mais barato do que contratar um profissional pronto e treiná-lo na área de negócio da empresa, ou que investir muito em marketing e vendas.

Eu gostaria de destacar algumas vantagens geradas especificamente para a Saint-Gobain em seu programa de intraempreendedorismo.

 Aprendendo com os erros

O projeto Obra Rápida apresentou o seguinte contexto de mercado: arquitetos que conduzem obras de construção e reformas têm momentos em que necessitam de materiais de última hora, para repor alguma peça quebrada ou faltante. Os empreendedores pensaram: e se a Saint-Gobain fornecesse esses materiais em um serviço de entrega no mesmo dia em que fossem pedidos, sem que o arquiteto tenha que ir à loja. Com isso em mente, idealizaram um aplicativo que gerenciasse pedidos e entregas, que resolveria o problema.  

Desenvolver um aplicativo requer tempo e dinheiro, além de haver um risco de os arquitetos não comprarem a ideia. Com a ajuda das metodologias de aceleração da Troposlab, foi estruturada uma versão simplificada do serviço, um MVP, utilizando WhatsApp, um funcionário como atendente e um parceiro logístico terceiro. Após apenas 1 mês e meio, e vários alinhamentos com as áreas da empresa, estavam prontos para realizar o teste. Já tinham um grupo de 8 arquitetos que manifestaram interesse em testar o novo serviço.

Iniciaram o teste, monitorando o número de pedidos na primeira semana, mas nenhum foi feito. Seguindo a orientação da metodologia, fizeram novas comunicações com o grupo de teste, para recordá-los do serviço. Ao final da segunda semana… nenhuma venda, novamente. 

Em novas conversas com os clientes, descobriram que os clientes estavam tento o problema, que é real, porém se “esqueciam” de usar o serviço, uma vez que já estavam acostumados com a rotina de ir à loja e comprar o material. Isso deu insumos para que os empreendedores voltassem à “prancheta” e pensassem em que poderia ser mudado no projeto. 

Aprender com os erros é algo inerente ao processo de inovação e no intraempreendedorismo não é diferente. A vantagem de fazer isso de forma sistemática é que se economiza muito. Além do mais, em apenas dois meses e com gasto praticamente nulo, o projeto Obra Rápida descobriu que teria que entender melhor seu público-alvo. Imagine se tivessem descoberto isso após investir mais de R$ 50 mil em um aplicativo…

Inspirando a cultura de inovação

O projeto Cooper Cook Home, criou uma folha antiaderente inovadora para a cozinha. Ela permite fazer hambúrgueres, ovos e outras frituras sem uso de óleo. 

Durante o programa de intraempreendedorismo, os empreendedores estudaram e trabalharam sobre a estratégia de marketing do produto, com ajuda da metodologia, e sempre foram estimulados a vender e conversar com seus clientes, processo do qual extraíram bons aprendizados, as vezes inesperados. 

Porém, além disso, trouxeram algo importante ao seu negócio, a cultura de inovação. Com apoio da diretoria, esse time empreendedor se tornou “famoso” e uma referência junto aos colegas de trabalho. Ao final do programa foi criado um espaço de inovação dentro da unidade de negócio para estimular que novos times se formem e mais projetos inovadores surjam, a partir do aprendizado dessa dedicada e esforçada equipe.

Agora, eles são mentores e multiplicadores da metodologia de inovação na empresa.

Novas metodologias para inovar e trabalhar

Smart Packaging é o nome do projeto que ganhou destaque no programa em sua primeira edição, tendo sido premiado com a viagem ao Vale do Silício. Eles projetaram uma embalagem para transporte de vidros automotivos diferenciada, que considera ergonomia, aproveitamento de espaço e proporcionará um aproveitamento em torno de 50% maior do espaço dos caminhões de transporte.

Para chegar até o ponto em que estão, além de uma equipe muito dedicada, os empreendedores contaram com as metodologias trabalhadas ao longo do projeto, como Design Thinking e SCRUM. Tiveram que enfrentar um momento conturbado, em que todos da equipe estavam assumindo novas funções na empresa e paralelamente tinham que seguir com o projeto.

Ao final do projeto, as metodologias aplicadas deram tão certo que outras áreas da empresa começaram a se interessar e aplicá-las, contribuindo para a melhoria de trabalhos e projetos dentro da empresa.

Intraempreendedorismo promovendo inovação na sua empresa

O projeto Saint-Gobain InPulse deixou uma grande marca e muita energia na empresa. O impacto gerado entre múltiplos fatores, foi possível com o apoio das diretorias, o engajamento da equipe executora do projeto, as metodologias empregadas, mas principalmente com o esforço geral para formação de times empreendedores, que corresponderam transformando a cultura da empresa com seus trabalhos.

Todas as empresas que querem inovar ou se diferenciar deveriam pensar em uma forma de estimular esse processo. O intraempreendedorismo é uma forma de canalizar a vontade criadora do ser humano, que está em cada colaborador da organização. Dessa forma, ao invés de buscar fora da empresa a equipe dos sonhos da inovação, podemos encontrá-la já dentro dela. 

E se precisar de ajuda para estruturar um programa de intraempreendedorismo com foco em resultados, conte com a gente. Escreva uma mensagem que um de nossos especialistas entrará em contato.