• Equipe vencedora do programa de intraempreendedorismo da Saint-Gobain - InPulse

O que um programa de intraempreendedorismo pode fazer por um enorme grupo empresarial, com diversos negócios ligados à área de engenharia de materiais e construção? A Saint-Gobain, em novembro de 2018, decidiu lançar o Programa InPulse em parceria com a Troposlab, para promover a inovação e transformação digital da empresa pela formação de times empreendedores. 

O programa já rodou duas edições e iniciou uma terceira, com novos projetos e desafios. Nesse post vamos mostrar como ele funciona e os resultados que tem trazido para a empresa. 

O que é um programa de intraempreendedorismo?

Abordamos esse conceito em vários posts do nosso blog, caso queira entender mais a fundo sobre o que é um programa de intraempreendedorismo. Se você quer ir além desse tipo de iniciativa e explorar todos os aspectos da inovação dentro da sua empresa, indicamos o nosso conteúdo sobre o que é inovação.

De forma resumida, conceituamos um programa de intraempreendedorismo como uma iniciativa da empresa para engajar seus colaboradores com o tema inovação, abrindo espaços para que possam propor, planejar e executar projetos, para dentro e fora da empresa, com autonomia criativa similar à de empreendedores tradicionais.

A empresa já possui as competências mais difíceis de se adquirir para inovar, que são seus colaboradores, que estão no dia a dia de suas funções e possuem contato direto com os problemas e lacunas que devem ser preenchidas, tanto para melhorar o desempenho de processos, quanto para agregar mais valor aos clientes. Porém, habilidades empreendedoras podem e devem ser desenvolvidas para aproveitar o potencial desse conhecimento técnico, de maneira a traduzi-lo em maior valor prático.

Principais etapas e atividades do Programa InPulse

 O programa de intraempreendedorismo InPulse da Saint-Gobain é realizado em cinco etapas:

  1. Inscrições e seleção.
  2. Preparo para Bootcamp.
  3. Bootcamp.
  4. Aceleração.
  5. Demoday.

Os colaboradores da Saint-Gobain são convidados a formar equipes para sugerir soluções e ideias para problemas ou oportunidades de mercado da empresa. Isso já resultou na mobilização de aproximadamente 450 colaboradores ao longo das duas edições, com cerca de 187 projetos inscritos, vindos de todo o grupo, ao longo de três edições.

Dos projetos inscritos, são selecionados até 15 para avançarem para a etapa que chamamos de Bootcamp, onde as equipes participam de workshops de duração entre 2 dias e meio (quando presenciais) até 6 dias (quando digitais, de duração reduzida), com o objetivo de detalhar melhor seus planos de negócio e aprofundar as definições de seus projetos, por meio das metodologias e ferramentas trazidas pela Troposlab.

Antes do bootcamp, os times selecionados recebem materiais de estudos gerados pela Troposlab, consumidos em forma de leitura e vídeos, como “aquecimento” para o processo pelo qual passarão depois. Nele serão definidos concepção de projeto, perfis dos público-alvo interno e externo, além de planos de ação e implementação de testes, com o objetivo de validar as hipóteses de cada projeto. 

 

Equipe envolvida na realização da primeira edição do programa de intraempreendedorismo da Saint-Gobain

Equipes e realizadores da primeira edição do programa de intraempreendedorismo da Saint-Gobain

Ao final do bootcamp, as equipes apresentam um pitch às diretorias do grupo Saint-Gobain, o que proporciona visibilidade aos colaboradores da empresa e engajamento de todos. A banca avalia os projetos apresentados, sendo feita uma deliberação para indicar projetos para a etapa de aceleração. Nesta etapa, as equipes selecionadas participam de mentorias semanais (exclusivas para cada time) com agentes de aceleração e comportamento da Troposlab, e também obtêm a oportunidade de trocar experiências com outras equipes de projeto participantes do programa (tanto da edição atual, quanto convidadas de edições passadas), em encontros quinzenais realizados com todos os times.

Após a etapa de aceleração e mentorias, que envolve meses de muito trabalho, as equipes apresentam mais uma vez à diretoria os resultados do trabalho realizado durante o período de aceleração, bem como seus aprendizados e planos para o futuro. A banca então elege, através de uma avaliação sobre vários critérios de desenvolvimento, um (ou mais de um) projeto destaque, realizando em seguida a valorização dos colaboradores envolvidos em todas as equipes.

Aqui está um vídeo que mostra um resumo de como ocorreu o demoday da primeira edição do programa.

Abordagem de negócios 

A metodologia aplicada pela Troposlab em seus programas contempla duas abordagens: uma focada no desenvolvimento do negócio, e outra focada no desenvolvimento das pessoas por trás dos projetos, isto é, no desenvolvimento comportamental dos intraempreendedores. Estas duas abordagens se integram e convergem entre si durante as mentorias, potencializando o desenvolvimento dos projetos e garantindo que os empreendedores possam generalizar seus conhecimentos para outros projetos e iniciativas de inovação. Na abordagem de negócio, o principal objetivo é desenvolver os projetos concebidos pelos colaboradores, que costumam vir de uma dor ou problema relevante de seu dia a dia, mas para o qual eles não sabem por onde começar ou o melhor caminho para desenvolver a implementação da solução de fato.

A Troposlab desenvolveu uma jornada empreendedora composta por ferramentas e conteúdos que promovem foco e criatividade ao desenvolver um projeto inovador, à qual são inerentes a incerteza, a necessidade de validar hipóteses e fazer testes, assim como a necessidade de planejar o suficiente para trazer alguma previsibilidade quanto aos resultados que o projeto visa gerar.

Essa jornada empreendedora é baseada nas principais metodologias utilizadas por startups no desenvolvimento de modelos de negócio escaláveis, adaptados ao contexto interno de uma grande empresa, na qual a eficiência de operação pode ser avessa à “aventura” envolvida em testar ou desenvolver algo novo.

Ferramenta B-Sensor e Priorização de Atividades

O primeiro passo do trabalho realizado é identificar de forma objetiva as particularidades de cada projeto: 

  • Em que ponto está? 
  • Em que ele mais precisa se desenvolver?
  • Quais próximos passos agregarão maior valor ao projeto?
  • Quais ferramentas e metodologias vão atendê-lo melhor neste ponto?

Para responder essas perguntas mais facilmente, a Troposlab desenvolveu uma ferramenta chamada B-Sensor, que reúne diversos critérios de análise de um projeto e os gradua em diferentes níveis, do menos desenvolvido para o mais desenvolvido.

Isso permite não só definir as ações mais importantes para o projeto no momento, de acordo com as linhas de referência, mas também acompanhar o seu desenvolvimento. Abaixo, um exemplo que mostra a evolução média dos projetos do InPulse, do início ao final da segunda edição:

Metodologias e Conteúdos Fornecidos

Com base no B-Sensor, é criado um plano de ações sugeridas para cada projeto, de forma personalizada, e são fornecidas metodologias ligadas à jornada de inovação construída pela Troposlab. Aqui estão alguns exemplos:

  • Desenho e Concepção de Projeto
  • Desenho de Perfis de Público-alvo
  • Entendimento de Problemas
  • Gestão Ágil com SCRUM
  • Análise de Contexto e Coleta de Informações do Público-alvo
  • Desenho de Jornada de Experiência
  • Planejamento de MVP (Mínimo Produto Viável)
  • Definição de Diferenciais e Vantagens Competitivas 
  • Definição de Métricas de Impacto para o Projeto
  • Análise e Projeção Financeira
  • Planejamento de Prova de Conceitos (PoC)
  • Elaboração de Pitch

Cada metodologia trabalhada vem acompanhada de ferramentas e mentorias para auxiliar em sua aplicação, sendo guias para as conversas realizadas ao longo do programa com cada projeto, possibilitando uma análise profunda e direcionamento adequado.

Ferramentas para Direcionar Atividades

A execução das metodologias, conforme foi dito, é acompanhada da aplicação de ferramentas que auxiliam a direcionar o trabalho das equipes, fixando “a forma de fazer inovação”, auxiliando também no acompanhamento sobre as ações desenvolvidas nos projetos.

Como exemplo, confira abaixo um registro de uma planilha com diferentes ferramentas, aplicadas no contexto online de aceleração. Há ainda versões para impressão dessas ferramentas, que também podem favorecer o trabalho em conjunto e brainstorming, caso exista a possibilidade de reunião presencial entre a equipe.

Outra ferramenta utilizada é um dashboard de acompanhamento da evolução dos projetos, que permite verificar o ritmo com que cada projeto está avançando, bem como evidenciar quais necessitam de maior atenção para gerar os resultados esperados até o final do programa.

A abordagem de negócio possui um foco sistemático, o que permite ter uma visão clara dos avanços e resultados alcançados por cada projeto e pela Saint-Gobain no fomento às práticas de inovação.

Abordagem Comportamental 

É importante falar sobre a abordagem comportamental sistemática que acontece ao longo de todo o programa. Há importantes aspectos relacionados ao comportamento das pessoas que precisam ser observados, acompanhados e desenvolvidos durante todo o processo. E existem alguns elementos-chave que são minuciosamente planejados para que o resultado não ocorra apenas no nível de negócios, mas também no nível da cultura organizacional e do comportamento das pessoas. 

  • Diagnóstico de comportamento e cultura: antes de iniciar as etapas de aceleração, entre a fase de inscrição e seleção e a fase de bootcamp, realizamos um diagnóstico dos participantes e já mapeamos os principais pontos que merecem atenção, tanto no que se refere a cultura, quanto ao que se refere à comportamentos empreendedores.
  • Comunicação afetiva: durante todo o programa existe uma preocupação e cuidado com o que precisa ser comunicado e como isso deve ser feito. A criação de um ambiente seguro e leve, em que as pessoas sintam que podem se arriscar para se desenvolverem, é um fator decisivo no engajamento e motivação dos colaboradores. Além disso, é nesse ambiente que as pessoas começam a construir vínculos positivos e duradouros com o empreendedorismo e a inovação. 
  • Desenvolvimento das pessoas: ao longo dos encontros e das etapas do programa, dedicamos um agente de comportamento para que todos os empreendedores sejam acompanhados do ponto de vista comportamental. Isso significa que a cada desafio do projeto existe também um desafio comportamental, e que desenvolvemos intervenções para que novas habilidades sejam desenvolvidas ou aprimoradas, a partir de cada etapa de desenvolvimento do projeto/negócio.
  • Interação entre os grupos: durante o programa, é comum que os times empreendedores enfrentem desafios particulares de seus projetos, mas também desafios semelhantes. E para que possam compartilhar suas experiências e suas estratégias, realizamos encontros de grupos e apoiamos as trocas entre eles, promovendo com constância o cooperativismo entre as equipes. 
  • Acompanhamento dos resultados: outro aspecto-chave é acompanhar e mensurar o progresso comportamental dos empreendedores, e para isso, ao final das etapas de aceleração, é realizado um novo mapeamento tanto dos aspectos comportamentais, quanto de cultura das equipes aceleradas. A partir disso, emitimos uma comparação entre os níveis de desenvolvimento pré e pós programa, gerando importantes dados que evidenciam os avanços no comportamento dos empreendedores, assim como avanços na cultura de inovação da empresa, a partir da aceleração.
  • Reconhecimento das pessoas: e por fim, é também cuidado que todos os empreendedores sejam reconhecidos pelos seus esforços e dedicação com o programa. Ao longo de toda a aceleração, os agentes de comportamento e aceleração fazem processamentos com os empreendedores e seus líderes ajudando-os a reconhecer tanto seus avanços e pontos fortes, quanto os pontos que ainda precisam desenvolver para empreender com sucesso. Ao final, no Demoday, tal reconhecimento positivo é extrapolado para toda a empresa. 

Ao longo de três edições do InPulse, pudemos modificar algumas estratégias comportamentais a partir das demandas específicas de cada edição. Na primeira edição, por exemplo, uma das principais metas comportamentais era fazer com que os colaboradores da empresa sentissem que poderiam ser intraempreendedores e poderiam de fato inovar. Na segunda edição, em que os participantes já se entendiam enquanto potenciais intraempreendedores, precisamos trabalhar mais profundamente aspectos relacionados à criatividade inovadora e visão de oportunidades, para que pudessem explorar mais a fundo o seu potencial de inovação. O mesmo tem ocorrido na terceira edição, onde recebemos alguns participantes que já possuíam importantes experiências em inovação e empreendedorismo.

Além disso, pudemos também evoluir algumas ferramentas já utilizadas e desenvolver novas ferramentas que enriqueceram o processo, como por exemplo, a inclusão de um pós-work na segunda edição, mensurando os impactos em cultura e comportamento a partir da aceleração, e a inclusão do acompanhamento da jornada emocional dos empreendedores na terceira edição. Vale ressaltar que, ao longo do programa, identificamos também a necessidade das lideranças serem envolvidas diretamente com os projetos, ajudando as equipes a identificarem quais lideranças poderiam fornecer suportes-chave para seus projetos, e passando a incluí-las em vários momentos ao longo das etapas de aceleração.

Evolução do programa 

Já falamos anteriormente em nosso blog sobre a importância de uma boa estratégia de inovação, e de que seja construída de maneira alinhada com alguns elementos, como os valores da empresa e o desenvolvimento de sua cultura organizacional. O InPulse se demonstrou um exemplo de sucesso nesse sentido, ao seguir evoluindo sua estrutura enquanto ferramenta de estratégia de inovação a partir do desenvolvimento da estratégia de mercado da Saint-Gobain, bem como dos focos e valores principais do grupo para cada ano, e do crescente desenvolvimento da cultura de inovação pelas unidades locais da empresa.

Na primeira edição, por exemplo, eram buscados inicialmente projetos que, de maneira mais geral, propusessem desenvolver novos produtos e serviços, ou desenvolver melhorias em elementos atuais da empresa, seja em produtos e/ou serviços já existentes, em processos industriais ou em processos administrativos. 

Já a segunda edição do programa foi desenvolvida de maneira mais alinhada e aplicada ao plano estratégico da empresa de Transform & Grow, focada em reforçar sua competitividade e proporcionar crescimento, ao buscar projetos que propusessem soluções dentro de algum dos três princípios-chave: 

  • promoção de maior proximidade com o cliente, a partir da resolução de problemas deste;
  • promoção de transformação digital na empresa, alinhada com a relevância atual do tema no mercado, seja através de novos modelos de negócio ou da digitalização de operações e processos;
  • promoção de simplicidade e agilidade em processos de tomada de decisão, buscando empoderar times locais para tornar sua organização mais clara.

Anteriormente, já alertamos sobre a tendência de empresas apoiarem e valorizarem mais processos de inovação incremental, isto é, que geram melhorias em produtos, serviços e processos já existentes, por oferecer menos riscos e maiores lucros a curto prazo. Atenta a este fator, a Saint-Gobain buscou através do InPulse uma maneira de acelerar e valorizar igualmente processos de inovação incremental e disruptiva. Ao mesmo tempo, segue alinhando o programa ainda mais ao seu plano estratégico, tanto quanto ao já citado Transform & Grow, quanto ao seu compromisso atual em reforçar sua estratégia de ESG. Passamos então a buscar por projetos dentro de três principais categorias:

  • Produtividade: projetos que focam em redução de custos e/ou melhorias de processos internos; 
  • Crescimento: projetos que trazem propostas de novos produtos, soluções e/ou novos negócios, focados em novas receitas e/ou aumento de receitas existentes;
  • Sustentabilidade: projetos com foco em eficiência energética, redução de desperdício de materiais, reformulação de produtos, embalagens, processos e outras soluções que proporcionem redução no impacto ambiental.

Buscando promover a valorização por igual dessas três categorias de projetos de inovação, foram selecionados para a fase de bootcamp 5 projetos de cada categoria, e para a fase de aceleração, 2 projetos de cada categoria, buscando ao fim eleger destaques em cada categoria.

Visando acompanhar ainda melhor o desenvolvimento da cultura de inovação e comportamento dos empreendedores selecionados para a aceleração, também evoluímos a partir da segunda edição o nosso acompanhamento comportamental, sistematizando ainda mais o processo ao propor intervenções adaptadas a cada etapa de desenvolvimento dos projetos. Focamos, então, em desenvolver nos times habilidades empreendedoras essenciais para executar cada etapa de desenvolvimento do projeto com sucesso, tornando o processo mais adaptado para cada time. 

A partir da terceira edição, levando em conta a evolução da cultura de inovação e comportamento empreendedor entre os colaboradores da Saint-Gobain, também trouxemos novos conteúdos e ferramentas para os Workshops da fase de Bootcamp, e seguimos desenvolvendo nossas ferramentas de acompanhamento comportamental. Atentos à importância de que gestores e lideranças estivessem envolvidos com os projetos de inovação recebidos para facilitar e favorecer o desenvolvimento destes, também buscamos entender a relação dos times com os gestores necessários para impulsionar o processo, e reforçar tal relação positivamente, aproximando gestores e lideranças-chave ao processo de aceleração de cada time.

Exemplos e Resultados

Um programa de intraempreendedorismo é uma oportunidade tanto para a própria empresa quanto para seus colaboradores, que podem empreender com “menos risco”, tendo acesso aos recursos e rede de apoio. 

Já a empresa pode gerar inovação e diferenciais frente a seu mercado sem gastar muito, aproveitando as habilidades e talentos que tem “dentro de casa”. Além disso, permite cultivar e fixar talentos internamente, formando um ambiente acolhedor para novas ideias e soluções que contribuem para a perenidade do negócio.

A seguir, vamos destacar alguns exemplos de resultados gerados no caso do Programa InPulse, para a Saint-Gobain.

Novas metodologias para inovar e trabalhar

Smart Packaging é o nome do projeto que ganhou destaque no programa na 1ª edição, tendo sido premiado com uma viagem ao Vale do Silício. O time projetou uma embalagem para transporte de vidros automotivos diferenciada, que considera ergonomia, aproveitamento de espaço e melhora em 50% a utilização de espaço dos caminhões de transporte.

Além de uma equipe muito dedicada, o projeto contou com as metodologias trabalhadas ao longo da aceleração para alcançar seu resultado (Design Thinking, SCRUM etc.). Tiveram que enfrentar um momento conturbado, em que todos da equipe estavam assumindo novas funções na empresa e paralelamente tinham que seguir com o projeto.

Ao final, as metodologias aplicadas funcionaram tão bem que outras áreas da empresa começaram a aplicá-las, inspiradas pela equipe do projeto.

Agregando valor direto aos clientes

Na 2ª edição, um projeto do grupo Tekbond criou um chatbot para atendimento automatizado de dúvidas dos clientes sobre qual produto utilizar em cada situação. O resultado está na página principal da empresa, no botão de “chat”.

Para chegar nesse resultado, interagiram com mais de 250 pessoas que utilizam os produtos, entrevistando algumas diretamente para definir as principais dúvidas a serem esclarecidas pelo bot. Criaram rapidamente uma primeira versão da solução, executando um MVP que atingiu mais de 450 usuários, trocando mais de 5000 mensagens com eles. 

O time, formado por pessoas do marketing, pode coletar dados das principais dúvidas e demandas dos clientes, identificando suas expectativas com os produtos da Tekbond, influenciando as estratégias comerciais da empresa com base em informações ricas.

A oportunidade de ir além da operação e da rotina

Outro caso interessante da 2ª edição, e que foi um dos projetos de destaque, foi o do projeto Saint-Gobain GO. O fato notório aqui é que foi o único projeto selecionado para aceleração formado apenas por pessoas da área operacional da Sekurit, que ficam no chão de fábrica.

Além de terem se destacado como time empreendedor, ganhando visibilidade pela diretoria, mostraram que é possível capacitar o time de operação em conceitos de WCM (World Class Manufacturing) por meio de jogos, usando conceitos de gamificação.

Realizaram um MVP aproveitando um jogo pré-existente, que ensinava especificamente sobre 5S, e analisaram os resultados de retenção de práticas pelos operadores participantes.

Reencontrando a carreira pelo intraempreendedorismo

Já foi falado sobre como programas de intraempreendedorismo como o InPulse podem ajudar na retenção e capacitação de talentos dentro da empresa. A equipe do projeto Habitat Pet, que criou um novo produto da Saint-Gobain para o mercado de pets, tem um caso interessante nesse sentido.

O projeto em si foi encabeçado por duas pessoas da área financeira, que observaram a oportunidade de gerar o novo produto utilizando o tempo ocioso de maquinários da planta industrial. 

Uma dessas pessoas, no entanto, ao começar a aplicar a metodologia de análise de contexto e público-alvo da Troposlab, ficou inspirado pelo contato com clientes e isso o motivou a mudar de área dentro da empresa, indo trabalhar junto ao marketing. 

Resultados comportamentais para a cultura de inovação

Ao que se refere a resultados comportamentais, podemos destacar diversas habilidades desenvolvidas pelos empreendedores, como:

  • Criatividade Inovadora;
  • Autoconfiança;
  • Coragem para riscos;
  • Formação de relacionamentos;
  • Visão de oportunidades; entre outras.

São resultados mapeados através da ferramenta Innovation Sensor, do Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento em Comportamento da Troposlab, aplicado tanto antes quanto após o programa, comparando resultados iniciais com os resultados pós-aceleração. Na segunda edição, por exemplo, identificamos através desta ferramenta um aumento de 48% (de 40 para 88%) no nível de conhecimento dos intraempreendedores. Abaixo, trazemos alguns resultados em mais detalhes para a seguinte pergunta feita aos colaboradores acelerados: “Quais das habilidades ao lado você considera que você mais desenvolveu ao longo do InPulse?”

Essa evolução e desenvolvimento se manifesta de outras formas na cultura da empresa, abrindo oportunidades como a do projeto Cooper Cook Home, da 1ª edição.

Além de terem criado um novo produto – uma folha antiaderente inovadora para a cozinha, que permite fazer hambúrgueres, ovos e outras frituras sem uso de óleo – receberam apoio da diretoria para criar um espaço de inovação dentro da unidade de negócio para estimular que novos times se formem e mais projetos inovadores surjam, a partir do aprendizado dessa dedicada e esforçada equipe.

Esse time empreendedor se tornou “famoso” e uma referência junto aos colegas de trabalho, contribuindo para consolidar a cultura de inovação desejada. Agora, os membros são mentores e multiplicadores da metodologia de inovação dentro empresa.

Impactos na cultura da Saint-Gobain

Programas de intraempreendedorismo como o InPulse não limitam seus impactos somente aos projetos e colaboradores envolvidos nele diretamente. A Troposlab acredita que um dos mais relevantes impactos que pode ter é na cultura de inovação da empresa.

Na Saint-Gobain, por exemplo, o sucesso do Programa InPulse – que é realizado em âmbito nacional pela empresa – tem estimulado empresas do grupo a criarem iniciativas locais, focadas em problemas e desafios mais específicos à área em que atuam. Esse é um resultado da cultura da inovação se tornando algo inerente ao grupo Saint-Gobain e é um resultado importantíssimo que qualquer um que busque fomentar a inovação em sua empresa deve buscar.

Por exemplo, a Saint-Gobain Performance Plastics e a Saint-Gobain Performance Ceramics & Refractories realizaram ou iniciaram recentemente seus próprios programas de intraempreendedorismo, com o objetivo de fomentar os comportamentos e cultura de inovação e empreendedorismo em seus colaboradores.

Além disso, outra iniciativa nacional formou uma rede de Innovation Champions da Saint-Gobain, gerando multiplicadores dessa cultura em todos os âmbitos da empresa. Esse processo é facilitado e essas iniciativas são melhor compreendidas por todos após a execução com sucesso de programas como o InPulse.

Um aspecto de impacto cultural muito relevante a ser destacado é o fato de diversos intraempreendedores formados através do Programa InPulse terem se tornado referências e multiplicadores de inovação pela Saint-Gobain, se envolvendo em uma série de outros projetos e programas de inovação realizados na empresa, como o próprio Innovation Champions. A valorização dos colaboradores nesse sentido, proporcionando outras oportunidades de aplicarem seus novos conhecimentos e seu engajamento em gerar inovação, se demonstrou fundamental para seguir proporcionando crescimento à empresa, acelerando sua transformação cultural de maneira sistemática. 

Intraempreendedorismo promovendo inovação na sua empresa

O impacto gerado pelo InPulse, entre múltiplos fatores, só é possível com o apoio das diretorias, o engajamento da equipe executora do projeto, as metodologias empregadas, mas principalmente com o esforço geral para formação de times empreendedores, que corresponderam transformando a cultura da empresa com suas ideias e seus trabalhos.

Todas as empresas que queiram transformar sua cultura em uma cultura mais inovadora devem pensar em uma forma de estimular esse processo entre seus colaboradores. O intraempreendedorismo é uma forma de potencializar o desejo de realizar do ser humano, que está em cada colaborador da organização. Dessa forma, ao invés de buscar fora da empresa a equipe dos sonhos da inovação, podemos e devemos desenvolvê-la dentro de casa.  

Caso precise de ajuda para estruturar um programa de intraempreendedorismo com foco em resultados de negócios e pessoas, conte com a gente! Preencha o formulário abaixo e um de nossos especialistas entrará em contato, buscando entender a melhor maneira de aplicar um programa de intraempreendedorismo adaptado ao contexto de sua empresa. Confira também nosso e-book sobre os Principais Elementos para uma Boa Gestão da Inovação, para obter uma noção inicial sobre como desenvolver uma estratégia de inovação de sucesso para sua empresa!

Por |2021-06-08T18:26:29-03:0021/07/2020|Case|

Compartilhe! Escolha a sua plataforma!

Sou engenheiro, empreendedor e mentor de startups. Já dei mentoria para mais de 230 startups e projetos, em mais de 30 programas de inovação. Sou especialista em modelagem de negócios e ajudo pessoas a empreender. Gosto de tocar violão, faço trocadilhos (que os colegas de trabalho adoram...) e sou bem nerd (com jogos de computador, Star Wars e tudo mais). Mas também sou interessado pela vida humana, estudante de Logosofia e eterno aspirante ao saber, inquieto com o Universo e seus mistérios.
Ir ao Topo