Em janeiro de 2019, a VLI, empresa que quer transformar a logística no Brasil, comunicava o início de um novo programa para seus colaboradores – o Empreendedores Inova VLI – um programa de intraempreendedorismo com o objetivo de promover resultados, melhorias e soluções para problemas da companhia, através da inovação e ideias vindas de seus próprios funcionários (lembra que falamos em outro post que o time dos sonhos da inovação é o que você já tem?!). Até dia 15 de maio de 2019, o programa já havia rendido cerca de R$ 2,5 milhões em economias para a empresa, por meio de seus três projetos finalistas, e estima-se que ainda vão gerar mais R$ 23 milhões.

Como foi conduzido o programa de intraempreendorismo na VLI

O programa, conduzido pela Troposlab, teve o foco em soluções que trabalhassem com dados de cada área da companhia, seja para sua geração, análise ou utilização, em soluções de Big Data, Machine Learning ou Data Analytics.

Dos 36 projetos que se inscreveram, 10 foram selecionados para o que chamamos de Bootcamp. Trata-se de um workshop de dois dias, que auxiliou as equipes a criar o primeiro esboço de seu modelo de negócio, utilizando ferramentas e técnicas da metodologia Lean Startup.

Ao final do segundo dia, foi realizada uma banca na qual gestores de diversas áreas da VLI puderam conhecer e analisar os projetos, escolhendo seis deles para a próxima fase. 

Após o Bootcamp, os seis projetos classificados passaram por uma aceleração de três semanas, com a metodologia Tropos, na qual se capacitaram em temas como Design Thinking e Business Design, fundamentais ao desenvolvimento de projetos num programa de intraempreendedorismo. Ao final desse período, uma nova banca formada por integrantes da área de tecnologia da informação e inovação avaliaram pitchs e selecionaram três projetos finalistas, que passaram por mais três semanas de aceleração.

A segunda fase de aceleração foi focada na construção de MVPs ou Provas de Conceito para cada produto e envolveu muita mão na massa, com a ajuda da Raro Labs, que foi nossa parceira para esta fase.

Por fim, após 72 horas de imersão, 13 horas de capacitação e 70 horas de desenvolvimento para cada projeto, eles apresentaram seu aprendizado, resultados e o roadmap futuro de suas soluções para a diretoria da empresa em um Demoday. Esses diretores não só gostaram das soluções, mas decidiram não investir apenas na vencedora, como era o planejado, mas sim em todas as que se apresentaram!

Provavelmente isso se dá ao fato de o que as economias e ganhos gerados para a VLI já cobriram os gastos do programa e também parte dos investimentos necessários para cada projeto. Assim, a decisão fica fácil…

Conheça um pouco dos projetos finalistas do programa de intraempreendedorismo  

Fuelytics

Entre as operações da VLI, como empresa logística, está a área de trens e ferrovias. Dentro dela, o consumo de combustível representa mais de 90% do custo variável da empresa. Imagine você quanto impacto qualquer economia de combustível pode ter nesse contexto!

O problema que este projeto busca resolver está ligado à quantidade de variáveis que impactam no consumo de combustível, que é enorme e muda a cada novo trecho da ferrovia. Por exemplo, a forma que um determinado maquinista opera a locomotiva, a inclinação do trecho, necessidades de manutenção do motor e vários outros motivos podem impactar nesse consumo.

O Fuelytics utiliza análise de dados para determinar as variáveis mais significativas para cada trecho operado pela VLI, fornecendo diretivas de como proporcionar maior economia. Um exemplo de ação que pode ser tomada é treinar maquinistas que estejam apresentando maior consumo, aprimorando a forma de conduzir e gerando economia. 

O projeto estima que, entre suas metas, seja possível economizar de R$ 7 a 18 milhões por ano para a companhia, uma vez que a prova de conceito seja finalizada. 

Sigma

Grandes empresas, especialmente ligadas à indústria, como a VLI, tem alta complexidade no controle de estoques, devido ao tamanho das demandas e quantidade de itens diferentes a serem geridos e adquiridos.  

A equipe do projeto SIGMA, por exemplo, estimou que a VLI gasta milhões de reais aumentando estoques desnecessariamente ou devido à falta de peças para manutenção. Imagine uma locomotiva que fica parada devido à falta de uma peça, quanto uma empresa logística perde por isso?

A solução proposta por este projeto é utilizar análise de dados e machine learning para automatizar o mapeamento de estoque e demandas registradas pelas diversas áreas e localidades da VLI, indicando a melhor forma de gerir cada item.

Com o projeto, foi possível reduzir tarefas que levavam 10 horas e 30 minutos para serem concluídas, a ponto de serem realizadas em apenas seis minutos.

As análises realizadas pelo MVP da solução tornam as aquisições de material mais inteligentes. Por exemplo, durante o período do projeto, houve um pedido de compra em que conseguiram economizar metade do valor, de centenas de milhares de reais, pois identificaram que havia excesso de estoque do mesmo item em outra localidade, que poderia ser redirecionado para a área que o requisitou.

O projeto já gerou cerca de R$ 2,1 milhões em economias e estima gerar outros R$ 10 milhões por ano.

Smart Planner

O principal negócio da VLI é logística, ou seja, ela transporta os bens produzidos por indústrias de diferentes tipos, para que possam escoar suas produções para seus clientes com o mínimo de problemas. Isso faz do planejamento de vagões da companhia um desafio.

Este projeto visa otimizar o planejamento de ciclos de vagões, para otimizar as margens de ganho da companhia por meio de análise de dados e Machine Learning. Isso significa um melhor planejamento e acompanhamento das cargas transportadas.

Por meio das análises de dados feita pela equipe do projeto, conseguiram realizar uma união inédita de duas bases de dados da companhia, deixando felizes muitas áreas que utilizam essas bases.

O projeto estima que ser possível gerar ganhos na faixa de R$ 5,5 milhões em um ano para a companhia, se pagando ainda no primeiro trimestre após a implementação. 

Inova VLI – 2a Edição

Com espaço para fazer mais, a VLI optou por mais uma edição do programa Empreendedores Inova VLI no ano de 2019, dessa vez com foco na geração de valor para clientes.

O programa se iniciou com a as inscrições de interessados. Havia duas possibilidades: funcionários da VLI podiam inscrever ideias de projetos ou se candidatar de forma avulsa, oferecendo-se para trabalhar nas ideias de outras pessoas. Mais de 150 colaboradores se inscreveram de alguma forma no programa, resultando em 36 ideias de projeto, das quais 10 foram selecionadas para participar de um Hackathon.

O Hackathon consistiu em um workshop de dois dias, no qual as pessoas selecionadas puderam formar times empreendedores de até cinco pessoas e começar a treinar o mindset de inovação, desenvolvendo seus modelos de negócio para as ideias de intraempreendedorismo que sugeriram. Ao final, apresentaram suas ideias a uma banca de gestores, que selecionou cinco delas para participar de dois meses de aceleração.

Durante a aceleração, cada time empreendedor passou por várias imersões de um dia inteiro, com temáticas próprias para o desenvolvimento de seus projetos, até a fase de MVP (você sabe o que é isso? Veja este link).

Após dois meses, 52 horas de capacitação, 14 interações com clientes, quatro pivots, cinco MVPs criados e 7 clientes da VLI já tendo sendo atendidos de alguma forma, os projetos de intraempreendedorismo apresentaram para uma banca de diretores, em um evento de Demoday, que selecionou três deles para serem incubados dentro do espaço de inovação da VLI.

Em conjunto, os cinco projetos estimam retornos que podem variam de R$21 milhões a R$ 60 milhões para a VLI. 

A transformação que o intraempreendedorismo gera na cultura da empresa

Além dos resultados para o negócio, é preciso falar também da transformação de cultura que o intraempreendedorismo gera, fazendo com que cada pessoa que forma a empresa adote o pensamento de inovação e empreendedorismo, estimulando o comportamento empreendedor.

Uma empreendedora que participou da primeira edição, que falou de sua experiência no demoday, relatou que tinha receio do que se dizia sobre a geração Z ser naturalmente inovadora e que isso traria muita competição e desafios para a sua geração. Ela relatou que o programa Empreendedores INOVA VLI foi a oportunidade perfeita para aprender como realizar inovação e se sente muito mais confiante para fazer isso em seu dia a dia.

Já na segunda edição, um dos empreendedores relatou que o programa foi um meio de transformar sonhos em ação. São os sonhos da companhia inteira, representados em seus funcionários empreendedores. Que outra iniciativa da empresa poderia gerar tanta dedicação dos funcionários, quanto a oportunidade de levarem à frente suas ideias, visões e projetos para a companhia em que trabalham?

Conheça os projetos que participaram do programa de intraempreendedorismo da VLI

CargoFlex

Existem regulações importantes para atender ao exportar cargas do Brasil. Empresas de logística como a VLI precisam estar atentas a isso no momento de embarcar materiais com destino ao exterior. Por esse motivo, há uma fiscalização minuciosa nos terminais de embarque de trens, nos quais cargas que estão, por exemplo, com níveis de impurezas ou umidade além de um limite aceitável, sejam recusadas. 

Isso gera um problema para os clientes da VLI que, por vezes, podem ter um caminhão parado por dias na boca de um terminal ferroviário, aguardando a liberação ou não da carga, caso esteja fora do padrão. Em alguns casos, podem ter que levar a carga até o porto no próprio caminhão, encarecendo o processo.

O CargoFlex é um projeto que busca acelerar o processo de flexibilização no recebimento de cargas, agregando valor aos clientes e à própria VLI. O interessante é que, caso a média dos indicadores (umidade, impurezas etc.) no porto esteja abaixo do limite exigido, é possível misturar cargas para ter ao final todo o montante dentro do padrão.

Pensando nisso, o CargoFlex criou um sistema de comunicação e de padronização de decisões para VLI. Isso possibilita receber cargas de clientes que estejam fora do padrão e, se a média dos indicadores no porto e nos silos estiver adequadas, receber as cargas, mediante um valor agregado.

À título de exemplo, o projeto já atendeu um dos clientes da VLI nesse modelo em forma de MVP, ainda sem o sistema pronto, durante a etapa de aceleração do programa. Geraram uma economia de centenas de milhares de reais para o cliente, ao mesmo tempo que geraram receita extra para VLI.

Por meio desse princípio simples, mas que requer uma boa equipe, um time empreendedor, para articular os diversos envolvidos, o CargoFlex estima poder gerar entre dezenas de milhões de reais de retorno para a empresa.

Cargolytics

Quando se presta um serviço logístico, existe uma coisa importante que o cliente quer saber: quando a carga chegará ao destino? É em torno dessa pergunta que o projeto Cargolytics trabalhou. Formado por um time diversificado de cientistas de dados e operadores de trens, o projeto criou um modelo matemático que utiliza os dados passados de viagens de trens e gera uma previsão de chegada dele no terminal para os clientes.

Pode parecer algo simples, mas o transporte ferroviário envolve diversas variáveis e possibilidades de retenção nas vias. É um desafio similar ao do aplicativo Waze, ao tentar predizer o horário que chegaremos ao nosso destino, de carro. Por meio da maior previsibilidade de cargas, a equipe do projeto espera aumentar a capacidade de transporte de cargas da VLI, uma vez que terão previsões mais precisas, gerando aumento de volume e milhões de reais em receita adicional e fornecendo ao cliente uma informação mais qualificada de quando receberá sua carga.

Outro fato interessante é o caminho percorrido pela equipe. Eles começaram querendo fazer a rastreabilidade dos vagões da VLI, mas descobriram, após aplicar as metodologias de inovação fornecidas pela Troposlab, que o problema mais urgente do cliente era outro, levando ao ponto em que estão hoje. É possível que tivessem demorado meses para descobrir isso, e após terem se esforçado muito no desenvolvimento. Ao invés disso, descobriram em uma semana. Esse é o podem da inovação feita como método e de forma sistemática.

Desplugados

Na indústria metalúrgica, após serem produzidos materiais como bobinas de aço, por exemplo, eles ficam em um pátio aguardando a chegada de caminhões ou trens que irão transportá-los. O time do projeto Desplugados identificou que os caminhões passavam muito tempo nesse pátio para realizar o carregamento e queriam solucionar esse problema.

Engajados em realizar isso, fizeram uma imersão no cliente, que é o responsável pela gestão o carregamento de caminhões. Lá, descobriam que o problema era bem maior. Os caminhões passavam 70% do tempo esperando em filas para serem carregados. Por meio das metodologias que aplicaram, idealizaram um sistema de comunicação que permitirá não só a diminuição de filas para os clientes, como passaria para a VLI toda a gestão do processo, agregando valor aos processos de seus clientes e à própria VLI.

Dispostos a validar suas hipóteses, a equipe se dividiu em diversas áreas do pátio e simularam, por meio de walkie-talkies, como funcionaria o sistema, ficando ao lado das pessoas chaves do cliente. Conseguiram reduzir em cinco vezes o tempo necessário para carregamento!

Embarque Online TPSL

Em uma pesquisa feita junto aos clientes da VLI, antes do programa, a transparência foi uma necessidade muito levantada pelos clientes. O projeto Embarque Online TSPL busca agregar valor nesse ponto.  

O time de empreendedores, que trabalha no porto da VLI, identificou o seguinte problema: quando um cliente queria saber sobre o estado de carregamento de um navio, ele ligava para a equipe comercial, que então ligava para a equipe de operação do porto, até encontrar alguém que soubesse em que ponto estava o carregamento e pudesse mandar essa informação de volta para o comercial e então para o cliente.

Além do processo ter tempo indeterminado, o fato de envolver muitas camadas de comunicação tirava eficiência dos operadores, que tinham que se dedicar a passar informações, e dava margem para erros na comunicação.

Para solucionar o problema, a equipe do projeto irá criar uma plataforma que o cliente possa acessar diretamente e ver não só o estado de carregamento do navio, como a previsão de término do processo. Conseguiram implementar um MVP do sistema, que fornece a informação para a equipe do comercial e mediram uma redução de 50-60% nas solicitações de informação da área comercial para a operação. Planejam estender o MVP para o cliente no início de 2020.

Painel Financeiro

A VLI transporta uma enorme quantidade de produtos todos os meses em sua cadeia logística. Esse é o serviço da companhia, que ela cobra de seus clientes, emitindo notas fiscais e outros documentos para cada serviço realizado. Imagine ter que gerenciar mais de 80 mil documentos do gênero por e-mail. Esse é o problema identificado pela equipe da área financeira da VLI que idealizou o projeto Painel Financeiro. A ideia é fornecer um painel online no qual o cliente possa, sem interagir com ninguém, encontrar os documentos que lhe dizem respeito e realizar os pagamentos necessários à VLI. 

A equipe contou com a ajuda de um desenvolvedor da área de TI da empresa e conseguiram gerar um sistema simplificado, com um layout bonito, mas que tinha que ser alimentado de documento manualmente. Um dos membros da equipe acessou o sistema todas as noites durantes as 3 semanas de MVP, para atualizar os documentos de cada um dos 4 clientes com quem realizaram o teste. 

Esse é um tipo de MVP conhecido como Mágico de Oz, em que algo é feito manualmente, mas simula como funcionará quando estiver automatizado. Isso rendeu feedbacks bem positivos dos clientes, que passaram a considerar o sistema diferenciado em relação a outras empresas de logística.

Incrível, né? Se sua empresa também quer aumentar a eficiência operacional e economizar cifras significativas por meio de um programa de intraempreendedorismo, como fez a VLI, entre em contato com a gente! E para conhecer outras histórias como essas, acompanhe nosso blog e redes sociais.